Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia: Como as mulheres LBT têm vivenciado a epidemia do Covid-19

Compartilhe esta página:
Twitter
Visit Us
Follow Me

Hoje, dia 17 de maio é comemorado o Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia. A data remete à  maio de 1990 quando a homossexualidade foi excluída da lista de distúrbios mentais do Código Internacional de Doenças, pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Porém se a homossexualidade ainda não é mais uma patologia, tão pouco deixaram de existir as violências e as estruturas homofóbicas e lgbtfóbicas em nossa sociedade, Quem dirá  ainda aquelas relacionadas  à transexualidade que só passou de ser considerada doença mental pela OMS a pouquíssimo tempo, em 2018.

De maneira geral, mulheres e homens LGBT ainda enfrentam a negação de sua identidade e afetividade, sofrem violência no contexto familiar, social e no trabalho,  assim como têm maior risco de sofrer de ansiedade e depressão, de uso abusivo de substâncias lícitas e ilícitas e também maior risco de suicídio, quando comparados com a população cis e heterossexual. No Brasil, a LGBTfobia alcança níveis ainda mais alarmantes: A cada 23h, uma brasileira(o) morre vítima de LGBTfobia¹ no país e lideramos o ranking mundial de assassinatos de pessoas trans². Não é nada seguro ser uma pessoa LGBT vivendo aqui.

Ainda lembramos, que todo esse contexto pode ser ainda piorado pela epidemia do coronavírus(COVID-19/Sars-Cov2). Mesmo sem ainda levantamentos cruzados sobre as condições socioeconômicas e de Saúde dessas populações, a ONU já pontuou que conforme visto no passado, as crises humanitárias e  de Saúde tendem a agravar os contextos de estigma, discriminação e violência estrutural contra mulheres e minorias³. Além disso, sabemos por exemplo das dificuldades do acesso e a precarização do trabalho das pessoas trans, sobretudo das mulheres trans, que as deixam mais vulneráveis a pandemia, assim como as violencias lésbofobicas vividas pelas mulheres lésbicas no contexto familiar e social, e a e a homofobia e a bifobia generalizada vivida por mulheres e homens bissexuais.

Por isso, neste 17 de maio, a CAMTRA destaca a voz e a vivência de 3 mulheres LBTs ( lesbicas, bissexuais e transsexuais/travestis) e como elas vêem e têm encarado esse momento atual. Reforçamos o repúdio contra todas as formas de LGBTfobia, e a garantia do respeito, das condições de vida e trabalho dignas, e do exercício pleno e livre da afetividade e sexualidade de todas as pessoas LGBTS! Que seja justa e respeitada todas as formas de amor!

Confira os depoimentos:

Lana de Holanda – Mulher trans, comunicadora, feminista e ecossocialista

A pandemia é um fenômeno que leva o caos para a imensa maioria da população, fornada sobretudo por mulheres e homens da classe trabalhadora. Mas, como em qualquer outra situação extrema, a vida das mulheres sempre é a mais afetada de forma negativa por essa realidade. E quando olhamos especificamente para a realidade das mulheres trans, aí a situação ruim se acentua de forma gritante!

A imensa maioria de nós, mulheres trans e travestis, infelizmente estão sujeitas à prostituição e outros trabalhos muito precarizados, como a única forma de subsistência, na maioria das vezes. Como cumprir a quarentena e o isolamento social, se não existe o que comer dentro de casa? Nesse sentido, as redes de solidariedade tem sido muito importantes, através da captação de cestas básicas e itens de higiene. Importantes, mas insuficientes.Outro complicador, que é comum em qualquer época, e que piora agora, é o fato das pessoas trans evitarem ao máximo buscar ajuda médica, devido à transfobia institucional. Mulheres trans, travestis, assim como o restante da população trans, ainda estão vivendo também a burocracia para poder ter acesso à renda básica emergencial. Triste!

Em momentos tão difíceis e tão duros, como agora durante a pandemia da Covid-19, fica muito mais explícito como algumas pessoas são consideradas menos humanas. Mas nós, trans e travestis, não abriremos mão da nossa humanidade e da nossa sobrevivência.

Leticia Vieira, mulher cis lésbica, feminista e consultora em gênero e  direitos humanos

“A pandemia trouxe um cenário complexo em que as violências cotidianas marcadas por gênero, raça, orientação sexualidade, entre outros tornam-se mais (in)visíveis. No que diz respeito a mulheres lésbicas, eu destacaria principalmente o aumento de demonstrações de lesbofobia familiar.Permanecer em casa em confinamento representa para as mulheres muitas vezes estar mais próxima de seus algozes. O espaço privado, como sabemos, não é seguro para as mulheres em uma sociedade patriarcal e serve como um dispositivo de manutenção das normas sociais. Se para as mulheres heterossexuais o perigo pode ser representado não só, mas muitas vezes pelo parceiro, quando se trata de uma mulher lésbica, a violência pode vir potencialmente de outros membros da família como pais, tios e irmãos, em uma tentativa de punir a “transgressão” de normas sociais de gênero que é ser lésbica.

Nesse sentido, já temos casos de mulheres lésbicas expulsas de suas casas em plena pandemia. Temos casos de violências psicológicas e simbólicas aos montes e temos casos em que a experiência no lar, de confinamento passa a um cárcere privado, onde se aplica violência moral e tentativas de reversão sexual, incluindo inclusive estupro corretivo. 

Sendo assim, as campanhas de combate à violência contra a mulher devem levar em conta precisam deixar de ser heterocentradas e levar em conta as violências a que mulheres lésbicas estão suscetíveis em lares conservadores, principalmente as mais jovens.”

Amanda Mendonça, bisexual, professora, pesquisadora, militante feminista e lgbt

O isolamento social, medida necessária para o enfrentarmos a pandemia e que atinge física emocionalmente todas as pessoas,  para pessoas LGBTI+ tem proporções ainda maiores. Temos as mesmas preocupações que todos os demais e mais algumas especiais. Primeiro porque o isolamento tem feito com que familiares passem muito mais tempo juntos dentro de suas casas, trazendo à tona as contradições inerentes às relações familiares e muitas vezes violências. Além disso, nossa exposição é grande. Muitos e muitas de nós atuam no mercado informal e estão sem conseguir se sustentar nesse período.

E outro ponto grave que nos atinge em um momento como esse são os estigmas que criam da população LGBTI+ com a propagação de doenças. Para nós, bissexuais esse estigma é forte, pois somos consideradas promíscuas.  E ainda  há um discurso religioso que associa questões morais com a pandemia, e que também nos atinge.  Aqui no Brasil, tem líder religioso  que associa a pandemia ao carnaval, que diz que é punição para quem não se enquadra na identidade e na orientação sexual que eles defendem como “certa”, “normal”. Essa imagem de mulheres promíscuas, que propagam doenças, em um momento de pandemia se acentua e se torna mais um lá dificuldade a enfrentarmos.

Fontes:

¹Levantamento Grypo Gay da Bahia ( maior organização LGBT do Brasil): https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2019/01/relat%C3%B3rio-de-crimes-contra-lgbt-brasil-2018-grupo-gay-da-bahia.pdf

²http://especiais.correiobraziliense.com.br/brasil-lidera-ranking-mundial-de-assassinatos-de-transexuais  

³http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2020/03/ONU-MULHERES-COVID19_LAC.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ÚLTIMAS POSTAGENS

CATEGORIAS

Tags

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support