28 de Maio – Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna e Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher

Compartilhe esta página:
Twitter
Visit Us
Follow Me

Uma em cada 4 mulheres gestantes sofrem violência obstétrica no Brasil, é o que aponta o estudo “Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado”, realizado pela Fundação Perseu Abramo em parceria com o Serviço Social do Comércio (SESC), em 2010.

Os últimos dados, sem estarem relacionados a pandemia da Covid-19, revelam que a mortalidade materna brasileira apresenta o índice de 66,4 mortes maternas a cada 100 mil habitantes. Número que representa mais que o dobro da meta da ONU.

Essa triste realidade atinge com mais força as mulheres negras que são 62% das vítimas de morte maternas, contra 35,6% das mulheres brancas.

Entre as principais causas de mortes maternas estão:

  • Hipertensão (pré-eclâmpsia e eclâmpsia);
  • Hemorragias graves (principalmente após o parto);
  • Infecções (normalmente depois do parto);
  • Complicações no parto;
  • Abortos inseguros.

Atenção básica às mulheres grávidas

O racismo enraizado em todas as esferas sociais faz com que as mulheres trabalhadoras negras e que vivem em áreas rurais e comunidades mais pobres sofram com a negligência a qual suas vidas são tratadas.

Reduzir as taxas de mortalidade materna está intimamente ligado a uma promoção de políticas públicas eficientes, voltadas e pensadas para a saúde da Mulher e pela manutenção de suas vidas. Assim como um acompanhamento mais efetivo e humanizado durante toda a gestação.

Novamente, são as mulheres negras as que menos recebem essa atenção gestacional. No Brasil, apenas 55% das mulheres negras fizeram sete consultas de pré-natal em 2012 e estão abaixo da média nacional que é de 62.4%.

Mortalidade Materna na Pandemia da Covid-19

Com a pandemia, a batalha das mulheres trabalhadoras, principalmente negras, indígenas, campesinas e periféricas ficou ainda mais árdua. E entre as gestantes e puérperas o cenário não foi diferente.

Em julho/2020 um estudo publicado na International Journal of Gynecology apontou que, no primeiro semestre do ano de 2020, 124 gestantes e puérperas morreram por Covid-19 no Brasil. Número que representa 77% dessas mortes no mundo.

A pesquisa revela ainda, que a morte de mulheres gestantes negras representa quase o dobro das mulheres grávidas brancas.

A data de hoje é de Luta e Resistência. Para que nenhuma mulher trabalhadora morra pela negligência do Estado com nossas vidas.

Pela garantia de ter um pré-natal, parto e pós-parto humanizados. Pelo direito de decidir por nossas vidas e nossos corpos!

Por Mim, Por Nós e Por Todas! É pela vida de TODAS as Mulheres Trabalhadoras!

Leia mais: Eliminação da Violência contra as Mulheres

Leia mais: Luta pela Descriminalização e pela Legalização do Aborto na América Latina e Caribe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ÚLTIMAS POSTAGENS

CATEGORIAS

Tags

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support