Quote

Compartilhe esta página:
Twitter
Visit Us
Follow Me

Camtra, Luta e Resistência em Tempo de COVID-19.

Por Eleutéria Amora – Coordenadora Geral da Casa da Mulher Trabalhadora.

“(…) os maiores índices de óbitos por Covid-19 são os locais com maior presença de – autônomas – autônomos e donas de casa e pessoas que usam o transporte público” UNIFESP

        O Brasil chegou na data de 13.08.20, ao número de 105.463(SUS) mortes, se pensarmos em cada pessoa que perdeu sua vida na batalha contra a COVID-19 existe um história, uma família, uma amiga/o, seus esforços do cotidiano, embora a morte chegue para todas/os, não esperamos nós, que não seja sem luta, sem as condições necessárias, uma política de governo para enfrentar um inimigo perigoso, que está entre nós, é invisível, o coronavírus, mas o descaso do governo brasileiro, este infelizmente é bem visível, deixou seu povo a própria sorte, ao abandono, ao descaso, ao desemprego e a morte.

Desde que se iniciaram as tentativas de restrições à circulação das pessoas, para quem teve este privilégio, já se passaram dois ministros, e o terceiro está cuidando da logística, não da política de saúde, necessária para enfrentarmos essa pandemia.      

Mais quem são as pessoas que estão sendo mais afetadas com a pandemia?

Segundo dados da pesquisa realizada com os distritos da capital paulista, pela a Universidade Federal de São Paulo(UNIFESP) “os maiores índices de óbitos por Covid-19 são locais com maior presença de – autônomas – autônomos e donas de casa e as pessoas que necessitam usar o transporte público” ou seja, o vírus não escolhe as pessoas, mas as condições de vida delas vão determinar a vida ou morte de cada uma/um. Em um sistema de saúde sucateado, mesmo assim é este sistema que está a salvar muitas vidas, pela a entrega de profissionais de saúde que mesmo sem ter as melhores condições de trabalho para atender a população não medem esforços para atendê-la.

Diante deste quadro tem sido o trabalho da CAMTRA e de muitas organizações, coletivos, grupos de mulheres, tem sido a solidariedade, o compartir. Sabemos bem porque as donas de casa, autônomas/os e as pessoas que usam o transporte público são as mais afetadas: morando em locais mais afastados dos grandes centros urbanos enfrentam os velhos e novos desafios, a desigualdade estrutural escancarada, tem cara e cor,  a pandemia só vem nos mostrar de fato quem somos e aonde estamos, a violência racista do estado com mortes dos jovens nas periferias, a violência doméstica, o desemprego e os despejos.

Esta não é uma nota para o desânimo, mas para buscarmos forças e novas energias, para seguirmos em frente e também para dizermos que temos um lado, este lado está nas nossas publicações, nos inúmeros cards que temos produzido de utilidade pública tentando a cada dia estarmos juntas com as companheiras de luta das inúmeras organizações de mulheres por este país a fora. O desânimo não cabe a nós, a luta sim.

#TodasasMulheresSãoTrabalhadoras

#PorMimPorNósePelasOutras!

#EuDefendooSus!

Fonte: https://observatorio3setor.org.br/noticias/estudo-da-unifesp-relaciona-obitos-por-covid-19-a-deslocamentos/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ÚLTIMAS POSTAGENS

CATEGORIAS

Tags

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support