Trabalho dos Cuidados e Divisão Sexual do Trabalho

Compartilhe esta página:
Twitter
Visit Us
Follow Me
Por Iara Amora – Colaboradora da CAMTRA

Vivemos em uma sociedade historicamente marcada pela divisão sexual do trabalho. Onde as atividades e funções de homens e mulheres foram diferenciadas e as mulheres responsabilizadas  pelos trabalhos reprodutivos, ou seja,  pelas tarefas que  garantem a manutenção da vida de todas/os (cozinhar, limpar, lavar…). Desta forma, as   mulheres ocupam a maior parte das funções sociais relativas aos cuidados e trabalhos  domésticos em nossa sociedade. Seja dentro das nossas próprias casas, sejam em funções no mercado de trabalho, como enfermeiras, cuidadoras, nos serviços de limpeza, cozinheiras, etc.  Somado a nossa herança colonial e  a divisão racial do trabalho, são as mulheres negras a maioria de trabalhadoras que realizam esses serviços nas casas de outras famílias, como babás, empregadas domésticas, etc.

Além de diferenciar as atividades de homens e mulheres, a divisão sexual do trabalho também as hierarquiza. Assim, as atividades desempenhadas pelas mulheres dentro de suas casas são invisibilizadas e na maioria das vezes nem reconhecida como trabalho; e quando realizada de forma pagar, são funções e profissões menos valorizadas, mais precarizadas, entre outras. O reconhecimento tardio dos direitos trabalhistas das empregadas domésticas é um dos maiores símbolos do intercruzamento das divisões sexuais e raciais do trabalho.  Soma-se ao fato ainda de que para dar conta da dupla ou tripla jornada, as mulheres acabam sendo a maioria nas atividades informais. 

Essa sobrecarga de trabalho é um  obstáculo para as mulheres se colocarem em condições igualitárias no mercado de trabalho e para continuarem seus estudos. Além de impactar a saúde física e mental das mulheres. 

Em um  contexto de pandemia da COVID-19 onde a nossa principal medida de prevenção é o isolamento social todas esses impactos são intensificados na vida das mulheres, em especial das mães e cuidadoras de idosas/os e enfermas/os, pois não podemos contar com com as políticas públicas de creches e pré-escolas, principais políticas de co-responsabilização estatal na esfera dos cuidados. Ao mesmo tempo em que nossas redes de apoio ficam reduzidas pelo risco de expor a saúde das crianças e de terceiras/os como avós e avôs, vizinhas, etc. Assim temos que dar conta de todas as demandas dos cuidados de nossas famílias  e assim como das  demandas externas de  trabalho, seja em  regime de home-office ou escalas, seja como autônomas ou ainda nos serviços essenciais. 

O enfrentamento dessa realidade exige políticas públicas durante e pós pandemia que assumam a co-responsabilização do Estado pelo  trabalhos dos cuidados e serviços domésticos, como lavanderias, restaurantes públicos, creches, entre outros. Passa também pelo enfrentamento da educação não sexista dentro das escolas e casas, meninos e meninas precisam crescer igualmente ensinados a compartilhar e ocupar  todas as atividades e funções dentro e fora das casas. Passa também pelas mudanças de hábitos dentro das famílias com uma divisão igualitária das tarefas domésticas e dos cuidados. Não são tarefas fáceis, mas precisamos começá-las pra ontem!

 

Bibliografia:

FEDERICI, Silvia. Revolución en punto cero. Trabajo doméstico, reproducción y luchas feministas. 

GONZALES, Lélia. Mulher Negra.

KERGOAT, Danielè. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In:  Dicionário crítico do Feminismo. 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ÚLTIMAS POSTAGENS

CATEGORIAS

Tags

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support