#JulhodasPretas: Laudelina de Campos Melo

Compartilhe esta página:
Twitter
Visit Us
Follow Me

#JulhodasPretas #25JulioMujeresAfro

Laudelina de Campos Melo: revelando o racismo, pela valorização das trabalhadoras.

Trabalhadora, Sindicalista, Ativista Negra, Feminista, Pioneira na luta dos Direitos e Organização das Domésticas. Nascida de mãe empregada doméstica e doceira, em 1904, precisou ainda aos 7 anos a trabalhar na mesma profissão que sua mãe. Perdendo o pai lenhador aos 12 anos, teve que abandonar os estudos, tomando a responsabilidade de cuidadora das/os irmãs/os.

Iniciou sua militância na Frente Negra, aos 20 anos, ao mudar-se para Santos, logo em 1936 foi fundadora da Associação de Empregadas Domésticas de Santos. Durante a ditadura, impedida de continuar as atividades da categoria, alistou-se e recebeu treinamento militar destinado a população civil. Com a redemocratização Laudelina reabriu a associação no cargo de Presidenta. Conscientizando sua categoria, continuava trabalhando e galgando cargos em sua carreira, passou de governanta a gerente de hotel-fazenda.

Enfrentou o racismo de forma organizada com o movimento negro em Campinas, já que mesmo com toda qualificação não conseguia arrumar emprego, por preferirem as brancas. Realizou, com muita luta, o baile de debutantes Pérola Negra, somente com jovens negras, em 1957, no Teatro Municipal de Campinas, unindo lazer e conscientização.

Em 1961, já reconhecida como defensora das domésticas, das mulheres e meninas negras – muitas abusadas sexualmente pelos patrões – reuniu 1.200 trabalhadoras na inauguração da Associação Profissional Beneficente das Empregadas Domésticas. o que promoveu a criação de associações no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Foi presa em 1964, com o golpe militar, para prestar depoimento, liberada juntou-se a União Democrática Nacional, para continuar e ampliar a atuação dos serviços da associação. Frente a disputa pela presidência, adoeceu e afastou-se do movimento da categoria. Retomando a presidência somente em 1982. Transformou a associação em Sindicato com a nova constituição em 1988.

Dona Nina como era conhecida, lutou pelos direitos das domésticas e das mulheres negras até o fim de sua vida em 1991. Hoje no #JulhodasPretas rememoramos esta heroína que assim como muitas de nós, mulheres negras e trabalhadoras, acumulam as tarefas do lar como cuidadoras e o trabalho remunerado desde a infância.

A efetivação e fiscalização da Pec das domésticas aprovada em 2015, que dispõe sobre o contrato do trabalho doméstico; a luta da mãe de Miguel, doméstica e negra, que perdeu seu filho por ter que trabalhar em meio a pandemia são lutas de Laudelina. Sua luta também é nossa Laudelina, para Camtra “Todas as Mulheres são Trabalhadoras, em casa ou na rua”

 

Fonte:Dicionário mulheres do Brasil. De 1500 até a atualidade. Biográfico e ilustrado

Schuma Schumaher, Érico Vital Brazil. Zahar. Ano 2.000.

Geledes: tag Laudelina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ÚLTIMAS POSTAGENS

CATEGORIAS

Tags

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support