Mães indígenas lutam pelo direito de enterrar seus filhos, vítimas da Covid-19

Compartilhe esta página:
Twitter
Visit Us
Follow Me

″Eu não quero voltar sozinha, sem o corpo do meu filho! Se eu voltar sozinha, eu vou sofrer muito na minha comunidade. Eu quero que vocês, autoridades, me ajudem. Eu quero o corpo do meu filho.” (T. Sanöma, 21/06/2020.) – “Xawara: rastros da Covid-19 na terra indígena yanomami e a omissão do estado”

Esse é apenas um dos relatos de mulheres indígenas do povo Yanomami, que perderam seus bebês para o coronavírus. Todas elas passaram pela situação de desespero, quando tiveram suas(seus) filhas arrancadas(os) da aldeia, por apresentarem sintomas da covid-19. As crianças faleceram pouco tempo depois, em hospitais de Boa Vista, e as mães foram informadas das mortes dessas crianças, mas não para onde os corpos seriam encaminhados.

Ainda segundo o relatório, todas essas mulheres foram hostilizadas nos hospitais. Sofreram racismo e preconceito linguístico, durante um dos momentos mais difíceis de suas vidas. O esclarecimento sobre o que aconteceu com os corpos dessas bebês só veio à tona depois de uma enorme pressão feita por apoiadores dos povos Yanomami e pela mídia.

Entre agosto e outubro do ano passado, o número de infectadas(os) pela covid-19, entre os povos Yanomami e Ye’kwana, saltou de 335 para 1.202, um aumento de mais de 250%. O principal motivo para esse aumento, além do crônico abandono e descaso com as populações indígenas, é o garimpo ilegal, que tem crescido, nos últimos anos, na região. O primeiro indígena aldeado a morrer por covid-19, foi um jovem de apenas 15 anos, que vivia em uma área próxima ao garimpo ilegal. Além dos casos de covid-19, outras doenças também tem sido disseminadas nas aldeias, devido ao contato com os invasores.

Hoje, estimam-se que haja mais de 20 mil garimpeiros invadindo a Terra Indígena Yanomami, porém, não há, por parte das autoridades, grandes esforços para punir os invasores e acabar com essa atividade. Assim, o povo Yanomami continua exposto a inúmeras doenças, muitas levando à morte as crianças e as bebês. Já são 7 casos confirmados de bebês Yanomamis mortas pelo coronavírus, desde o início da pandemia. O que especialistas definem como o pior cenário nos últimos 30 anos.

Nossa solidariedade às mães que tiveram suas(seus) filhas(os) arrancadas de seus braços e precisaram em luto, lutar pelos corpos de suas(seus) bêbes. É inaceitável que mais pessoas continuem morrendo por omissão das autoridades em relação ao garimpo ilegal. Basta de omissão e descaso com a população indígena!

Fontes: https://www.brasildefato.com.br/…/terra-yanomami…
https://acervo.socioambiental.org/…/xawara-rastros-da…
https://www.geledes.org.br/coronavirus-avanca-250-em…/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ÚLTIMAS POSTAGENS

CATEGORIAS

Tags

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support