Tia Ciata – Março de Lutas Pelas Mulheres

Compartilhe esta página:
Twitter
Visit Us
Follow Me

Hilária Batista de Almeida, fez história na acolhida. Nasceu no ano de 1854, em Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano, e lá foi confirmada no santo ganhando o nome pelo qual é conhecida até os dias de hoje: Ciata.

Em 1970, veio para o Rio de Janeiro no movimento conhecido como Diáspora Bahiana. Junto ao seu marido João Baptista da Silva, e outras pessoas do movimento, fez da Praça Onze uma Pequena África.

Quituteira, Mãe de Santo, Partideira e Sambista, Ciata fez do seu quintal o encontro da ancestralidade. Muito antes de Madureira, o quintal da Tia Ciata já era considerado o “berço do samba”.

Na rua Visconde de Itaúna, 117, entre uma gira e outra, entre a venda de seus quitutes, Ciata organizava suas festas com muito samba. Foi no seu quintal, no ano de 1916, que o primeiro samba gravado no país, nasceu, chamado “Pelo Telefone”.

A ala das baianas nas escolas de samba é em homenagem a Tia Ciata e as outras negras que faziam as de carnaval na Praça Onze.

Homenagear Tia Ciata é relembrar a festa da acolhida, o apoio entre as nossas e o respeito à ancestralidade.

Viva Tia Ciata, a Matriarca do Samba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ÚLTIMAS POSTAGENS

CATEGORIAS

Tags

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support